A excelência na gestão clínica automatizando os processos



        Os processos médicos no Brasil ainda não estão otimizados. Por isso, muitos dados de pacientes são subutilizados ou até mesmo perdidos diariamente por conta de falhas estruturais na gestão clínica. Além de todos os problemas médicos que podem ocorrer perder dados de paciente por algum problema de ordem prática é inaceitável. Por isso, é preciso atingir uma excelência na gestão clínica, que pode ser alcançada através da automatização e integração dos processos.

A ROTINA CAÓTICA

        As clínicas têm uma rotina extremamente caótica. São diversos pacientes que têm seus problemas únicos e precisam ser atendidos com toda a atenção. Soma-se isso às questões médicas que eles possam ter, a necessidade de toda a parte burocrática do processo.
     
        Como os médicos são humanos, o excesso de trabalho pode gerar erros que, literalmente, podem ser fatais. Quem trabalha na área de saúde sabe, que na maioria das vezes é apenas a qualidade desses profissionais, que garante que os atendimentos sejam feitos de maneira ideal.
     
        Por isso, é preciso ajudar os profissionais o máximo possível. Uma forma de fazer isso é através da automatização dos processos assistenciais e administrativos.

COMO ATINGIR A AUTOMATIZAÇÃO DE PROCESSOS?

        Dada a complexidade e a importância de todos os processos médicos que os profissionais precisam fazer, é longe do ideal a obrigação em controlar certas atividades mais burocráticas.
     
        A automatização é uma resposta evidente para esse problema, e ela pode ser atingida de diversas formas na gestão clínica. Primeiramente, laudos podem ser emitidos completamente online. A comunicação entre paciente e médico é muito mais fácil, e certos equipamentos permitem o envio e recebimento de exames, de forma automática.
     
        Então, se um paciente faz um exame, o médico recebe o mesmo, o analisa, e se não houver uma necessidade de algo mais complexo, o retorna imediatamente com a sua assinatura. Isso traz benefícios para todos os envolvidos, que tem uma interação muito mais rápida, eficiente e segura.
     
        Seguindo a ideia do laudo online, o prontuário eletrônico está se tornando o modelo mais adotado, no Brasil e no mundo. Com ele, os dados dos pacientes estão disponíveis, e protegidos, a todo o momento.
   
        Isso quer dizer que médicos de diversas especialidades podem acessar os dados e ver, por exemplo, outros medicamentos que o paciente usa. Com isso, o novo médico pode garantir que o tratamento irá ser o ideal, e com o mínimo de riscos.
     
        Os médicos da clínica têm um acesso instantâneo e preciso ao histórico do paciente, sem precisar gastar tempo procurando, ou preenchendo. Além disso, o risco de perder essas informações é mínimo, e pode-se garantir um atendimento multidisciplinar focado no paciente.

OS ASPECTOS NÃO MÉDICOS DA CLÍNICA

        Além de todos os benefícios para o trabalho dos médicos, a automatização de processos traz vantagens não apenas para eles, ainda que este seja o principal aspecto.

        A automatização dos processos ajuda a promover uma grande melhoria em atividades administrativas, que também são extremamente importantes para que a gestão clínica funcione.

       Com essas soluções, elas podem ter um trabalho mais fácil em manter a organização financeira, garantindo que os profissionais tenham mais condições e tranquilidade para fazer o seu trabalho.

       O controle de estoque, por exemplo, pode ajudar a certificar que os profissionais sempre irão ter os recursos para garantir o melhor atendimento aos pacientes. A automação das operações também irá garantir que o trabalho ocorra de maneira muito mais eficiente.

       Essa solução de automação está se tornando padrão em praticamente todos os setores da sociedade. Para as clínicas, elas são uma oportunidade incrível de diminuir o trabalho burocrático e facilitar o aspecto médico dos profissionais, garantindo um atendimento muito melhor. Afinal, isso é o que mais importa: promover o atendimento centralizado nos pacientes.
Editorial, 08.NOVEMBRO.2018 | Postado em Gestão


  • 1
Exibindo 1 de 1