Medicamentos: Gerenciamento e Padronização do uso de medicações e princípios ativos

medicamentos

A prescrição e aplicação de medicamentos para o cuidado dos pacientes é uma rotina comum para médicos, enfermeiros e outros profissionais de saúde. Nesse fluxo de trabalho, é comum que administradores de clínicas encontrem complicações na troca de informações entre a equipe médica e a de cuidados. Isso ocorre principalmente devido a equipe assistencial trabalhar com o princípio ativo e a equipe administrativa com os medicamentos comerciais (ou genéricos a depender da instituição e porte).

Resolver essa situação é um trabalho que pode ser auxiliado por ferramentas tecnológicas, como uma solução CIS, para clínicas, ou HIS, para hospitais. Mas antes, é preciso ter uma noção clara de como isso acontece para decidir adequadamente o que fazer.
 

ENTENDA O PROBLEMA


O que pode acontecer que faz da relação medicamentos x princípios ativos digna de atenção? Veja, por exemplo: o médico prescreve a medicação NOVALGINA. Porém, a mesma na realidade trata-se do princípio ativo Metamizol. Esse medicamento pode se apresentar em diversas formas e em diversos laboratórios. Na maior parte dos casos, qual variação deles escolhemos para usar não afeta o resultado final para o paciente. 

Mas, esse fluxo pode causar algumas complicações para a instituição de saúde, como a redução dos lucros e da eficiência. Isso porque existem alguns laboratórios que produzem medicamentos mais em conta do que outros. Então, quando o médico prescreve como Novalgina, não auxilia a agilizar o trabalho do enfermeiro, que precisa pensar na tradução – para o princípio ativo (metamizol). 

O profissional de cuidados pode até saber rapidamente como fazê-lo, e ao longo do tempo de trabalho, vai criando um” dicionário” ainda maior em mente. Com o tempo, isso se torna automático. Porém... Não seria muito mais fácil que esse processo fosse feito de forma automatizada, onde esse dicionário estivesse padronizado, inclusive por convênio e tipo de tratamento? 

Isso sem citar o risco de glosa por parte dos planos de saúde. Confira, abaixo, o porquê do caso da glosa:
 

O CASO DA GLOSA


Para os planos de saúde e operadoras, o faturamento das medicações pelas instituições de saúde deve ser feito de forma transparente, e sempre com muita atenção, o que for prescrito pelo médico precisa estar em consonância com o que foi cobrado (e acordado em contrato). Isso porque na maioria das instituições. Caso a equipe não siga corretamente as instruções do plano, ocorre o não pagamento. A glosa atrasa o andamento da equipe financeira e prejudica o andamento normal do faturamento. 

Por isso, todos os esforços devem ser feitos para evitar esse cenário. Como, então, resolver esse problema? Como contar com uma ferramenta que centralize todos esses dados, dando mais liberdade ao enfermeiro e mais tranquilidade ao médico?
 

COMO RESOLVER A SITUAÇÃO?


O Lifeone pode ajudar. Na solução, existe a funcionalidade “catálogo de substâncias”. No catálogo de substâncias é possível fazer a sugestão automática em dos medicamentos que podem ser cobrados pelos planos e operadoras, liberando a equipe assistencial para trabalhar somente com o princípio ativo, sem se preocupar com faturamento e cobrança. 

Além de melhorar o faturamento e reduzir a carga de trabalho manual das equipes, ainda se evita a glosa, pois os planos de saúde que limitam a escolha do princípio ativo também podem ter seus padrões cadastrados. Assim, toda a equipe pode focar seus esforços não em tarefas repetitivas, mas no que realmente importa: as pessoas.
 

CONHEÇA O LIFEONE


O Lifeone é uma solução completa com módulos escaláveis para os mais diversos tipos de unidade de saúde. O Lifeone apresenta versões para clínica, hospital, laboratório, diagnóstico por imagem, consultório, entre outros.

Além disso, a solução está sempre atualizada e em conformidade com as principais disposições legais, para que seu negócio flua sem complicações. Para descobrir o que o Lifeone pode fazer por sua empresa, entre em contato conosco.
E, se você tem interesse em conteúdos relacionados a este artigo, continue lendo nosso blog.
Editorial, 13.JANEIRO.2020 | Postado em Lifeone


  • 1
Exibindo 1 de 1