Normas e regras de saúde que a adoção do HIS ajuda a cumprir



O setor de saúde constantemente se vê imerso em normas e regras. Como lidam com as vidas de pessoas, os empreendimentos em saúde possuem uma grande responsabilidade em mãos. Isso, em parte, justifica a existência de tantas autarquias responsáveis por garantir seu bom funcionamento.
 
Da perspectiva da gestão hospitalar, é importante estar em acordo com essas disposições. E, para isso, a tecnologia pode ser uma importante aliada. A adoção de softwares como o HIS ajuda a cumprir determinadas normas, quando escolhida uma solução de qualidade
 

Instituições que determinam normas e regras a cumprir

 
Diversas instituições propõem normas e regras a cumprir para a saúde, especialmente para os hospitais. Neste artigo, citamos algumas delas e sobre quais de suas disposições a adoção do HIS (Sistema de Informações Hospitalares) pode ser útil. Continue a leitura do artigo para conhecê-las.
 

   •     CNE’s

 
O Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde (CNE’s) é subordinado ao DataSUS, departamento do Sistema Único de Saúde. Quando um hospital é conveniado ao atendimento público, necessita de seguir o padrão do SUS para o envio de informações sobre leitos, equipamentos etc. E, mesmo quando não é conveniado, o SUS realiza pesquisas com essas mesmas informações. Por isso, é importante adotar um HIS que esteja em conformidade com as exigências.
 

   •     TISS

 
Para hospitais que trabalham com planos de saúde, é importantíssimo que se siga o padrão TISS, de Troca de Informações de Saúde Suplementar. Nele, estão contidas as boas práticas para que a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e o Ministério da Saúde possam ter acesso às informações desejadas sem que aconteçam falhas ou ruídos nas comunicações. Para auditorias, o cumprimento do padrão TISS é fundamental.
 

   •     RDC’s

 
Existem diversas Resoluções da Diretoria Colegiada (RDC’s) criadas pela Anvisa. O objetivo de todas é garantir que haja um padrão no tratamento de insumos por parte dos hospitais. O HIS escalável e personalizado para as diversas especialidades unifica em um mesmo sistema esses padrões, garantindo por exemplo, que o estoque de medicamentos esteja de acordo com o que é solicitado, que os serviços de diálise sejam feitos de forma adequada etc.
 
Além disso, existe uma RDC específica para a adoção de tecnologias em saúde – nº 2, de 2010. Um HIS como uma solução de qualidade, em seu próprio desenho, deve conter as especificações necessárias.
 

   •     ANPD e LGPD

 
A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), nº 13.709/2018, possui como órgão fiscalizador a Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD). Com a adoção do HIS, as disposições da norma sobre backups, coleta, armazenamento e tratamento de dados ficam unificadas e a instituição dedica menos tempo a se preocupar com aspectos técnicos. Assim, é possível criar trilhas de uso para auditorias, revogar e conceder permissões, bem como garantir de forma profissional a segurança das informações do paciente.
 
As siglas citadas anteriormente, dentre muitas outras, são determinantes para o funcionamento de um hospital. Suas normas e regras englobam parâmetros que vão desde o financeiro ao prontuário do paciente. Sem elas, o hospital corre graves riscos – podendo até ter seu funcionamento comprometido.
 

Solução constantemente atualizada

 
Conhecendo a importância de estar de acordo com as normas e regras, pense na adoção do HIS que faz mais por você.
 
Lifeone está constantemente buscando se adaptar. O time de desenvolvimento acompanha as novas regras e normas, fazendo do Lifeone uma solução constantemente atualizada. Para conhecer melhor nossos serviços, baixe gratuitamente nossa tabela de preços e versões.
 
Se você tem interesse no assunto de legislação, também disponibilizamos de forma gratuita um e-book sobre a resolução nº 1.974/2011 do CFM, que dispõe sobre a Publicidade Médica. Acesse aqui.
Editorial, 01.OUTUBRO.2019 | Postado em Gestão


  • 1
Exibindo 1 de 1